E o post #200 é pra comemorar

Depois de anos lutando contra a água, crises feias de pânico, 1 ano de natação intensiva (sempre no nível 1), a minha pequena de 5 anos finalmente criou coragem pra pôr a cabeça debaixo d’água!! Nunca fiquei tão orgulhosa dela quanto na 4a. feira.
O orgulho dela mesma era contagiante. Eu só sorria, claro! E ela não conseguia parar! Foram 40 minutos com ela indo e voltando! De repente se abriu. Descobriu que pular na piscina é divertido. Que pôr a cabeça na água não é um bicho-papão. E olha só: é tão bom se sentir confiante e saber que consegue fazer algo pelo qual ela vem trabalhando há muuuito tempo!
Quem acompanhou a batalha por aqui sabe o quanto isso representa.
 
Eu mal me aguentava e só queria apertá-la e encher de beijos! Saímos pra comemorar no restaurante favorito dela, onde ela pediu um hambúrguer, salada e leite com chocolate. E claro, contou pra todo mundo que viu na frente. Hoje na escola, ela falou pra todas as professoras. Mesma coisa na aula de patinação. 

Up and running

Depois de comer poeira e esquecer de regularizar o domínio antigo do blog, acho que agora vai. Era pra ter feito tudo em fevereiro, renovado o domínio e daí feito a transferência pro novo host.

Obviamente que fiz pela metade e esqueci o resto. Esses dias só, que me dei conta. Como não consegui arrumar a transferência do GoDaddy pro Bluehost, fiz o caminho mais (ou nem tanto) fácil. Tinha direito a um domínio novo, di grátis, então preferi recomeçar do zero.

Domínio novo, mas o blog continua o mesmo. E viva o backup!🙂

Há 11 anos, numa 6a. feira….

Há 11 anos, numa 6a. feira, 21 de fevereiro, eu embarcava para a viagem que ia mudar minha vida. Tinha terminado a faculdade e resolvi estudar inglês para conseguir emprego melhor na volta, que seria 5 meses depois. Estudei inglês, terminei o curso e… não voltei. Quis conhecer mais essa cidade que me prendeu desde o primeiro dia. Foram 3 anos até virar residente permanente e depois, cidadã canadense. São 11 anos que me mudaram como jamais imaginei. 11 anos de luta, de saudades da família, que até dói. 11 anos depois e ainda me confundindo no inglês. As recompensas não podiam ser melhores: conheci a pessoa que mais amo e tenho uma pequena que é a minha vida. Foi fácil essa caminhada? Não! Mas não me arrependo nenhum instante de ter levado meu passaporte ao Consulado Canadense com aquele pedido de visto que definiu meus caminhos.

Seja bem vindo, 2014

Por favor, seja mais gentil comigo este ano.

Não me faça ficar acordada na cama sem conseguir achar uma posição para dormir sem dor.

Não me faça faltar no trabalho porque estou muito cansada para acordar ou porque estou exausta da rotina matutina de preparar almoço, dar café-da-manhã, me arrumar, trocar minha filha, deixá-la na creche, correr pra pegar o trem na hora.

Não me faça perder eventos sociais porque eu simplesmente não tenho vontade de ir de tão cansada que estou, a ponto de não conseguir tirar o pijama velho e colocar uma roupa decente.

Não me faça uma pessoa irritada o tempo todo, desconto na família toda a frustração que não consigo trabalhar.

Não me faça odiar tanto meu trabalho.

Me faça uma alma gentil, como eu era antes. A que eu conheço, e não esta brava, cansada e irritada que me substitituiu.

Seja gentil com meu corpo e minha pele; ela não precisa ser tão sensível assim. Minhas emoções já são demais.

Me ajude a achar um caminho para fazer algo que me deixe feliz.

Ajude minha filha a crescer saudável, feliz e engraçada como ela sempre é.

2014, você acabou de nascer. Me deixe ajudá-lo a crescer bem.

E o dia dela está chegando…

Quando a gente é criança, não tem nada mais divertido que aniversário, né?

Imagina, então, quando se faz “uma mão cheia de dedos”? Valentina está que não se aguenta.

Ontem nevou por aqui. Depois de um outono lindo, com muito sol e sem chuva, pegamos um final-de-semana bem frio (com sensação térmica na casa dos -19) e agora, começou a nevar. Coisa pouca, mas o suficiente pra deixar a criançada feliz.

Daí estamos tendo as pérolas pré-5 anos:

Valentina vendo a neve ontem cedo, ao sair de casa:

-“Mami, is my birthday today?”  (mami, é meu aniversário hoje?)
-“Não, Valentina, seu aniversário é na próxima segunda-feira. Daqui 1 semana!”
-“Yeah, meu NAVISÁIO é no next monday!! Is it going to snow?”  (yeah, meu aniversário é na segunda que vem! Vai nevar?)

Neve > aniversário, pelo jeito.

E hoje à noite…

“For my birthday, I want a Barbie boy!”  (pro meu aniversário, eu quero um menino Barbie)
“A Barbie boy? His name is Ken, Valentina!”  (Menino Barbie? O nome dele é Ken, Valentina!)
“So I want a Ken Barbie boy!” (Então eu vou querer um menino Barbie Ken!)

E por aí vamos. Ela está tão querida, tão independente. Ter ido pra escola este ano só fez bem a ela. Recebi o boletim dela semana passada e só tem coisa boa. E quando não é tão bom, a gente vai trabalhando pra melhorar.

Ela é uma personagem nova a cada dia. Um dia vai de chapéu de urso pra escola, no outro, coloca a saia de bailarina. Hoje é noiva e amanhã será batgirl. E ela vive feliz! Gosta de curtir as pequenas coisas em casa, como um chocolate quente no fim de um dia frio, desenhar mil coisas e pendurar pela casa, deitar na cama pra ler livros (nosso ritual de toda noite), de sair no sábado de manhã pra aula de patinação no gelo, correr pelo parque, fazer carinho no Eithor, aprender, aos poucos, as letras e os sons, e perguntar toda hora como se escreve isso ou aquilo. Fazer desenhos cada vez mais detalhados, contar histórias da imaginação dela, brincar com as bonecas, os carrinhos, os pôneis, as princesas, Lego; e fazer de casa um lugar encantado com os mundos que ela cria.

O medo de lavar a cabeça passou. Ainda reclama de água no olho ou no ouvido, mas já lava bem. Inclusive pediu pra lavar nos últimos 3 dias, seguido! Ainda não pôe a cabeça dentro d’água, mas já está mais a vontade na piscina, não tão dura. Em compensação, no gelo, está super bem e na metade do nível, a professora já começou a passar coisas mais sofisticadas pra ela e os outros colegas. Em 5 aulas, ela já sabe levantar sozinha e ir andando pelo gelo. Está melhor que a mãe, claro.

Já reconhece mais de 20 fonemas e todas as letras do alfabeto. Devora livros, mesmo sem ler. Enche folhas e folhas de papel com seus escritos – letras aleatórias – e vem me perguntar o que ela escreveu.

A rotina está mais tranquila. Já nos acertamos, finalmente. Os pitis são cada dia mais raros e ela está conseguindo se expressar melhor e dizer o que sente.

Já vai fazer CINCO anos! Como diz a vovó, “uma mão cheia de dedos”! E não se aguenta de felicidade. E não, não quer bolo! Ela quer brigadeirão de aniversário (receita da vovó!!).

Por você, minha linda, eu faço tudo!

 

Dois meses de aula e algumas observações

Que não ia ser 100% tranquilo, eu já imaginava. A professora me chamou para uma conversa na 3a semana de aula. Acho que bati algum recorde. Aparentemente, como toda criança de 4 anos e meio, Valentina tem opiniões muito fortes. Sabe exatamente o que quer. E o que acontece quando a professora fala para ela fazer algo que não quer ou pede para ela parar alguma coisa? Vai pro canto, cruza os braços e diz que odeia a escola, a professora e todo mundo. Bem típico. Mas o que me chamou a atenção na conversa foi ver que a professora não estava reclamando e sim, querendo conhecer mais da Valentina. Como ajudá-la a fazer transições de uma atividade para outra, como trabalhar isso dela reclamar do mundo…

Valentina é uma criança que precisa de tempo para se adaptar a uma nova rotina. Uma transição de atividades, por exemplo, requer bastaaante aviso prévio (o velho “mais 5 minutos”). Ela chorou nas primeiras semanas de aula, quando caiu a ficha que ali seria o novo cantinho dela. De manhã, ela prefere ficar na creche da escola (que vai levá-la pra sala), onde tem menos crianças, a ir pra área coberta (onde estão todas as outras crianças) onde esperamos o sinal tocar. E isso porque a escola é pequena. São apenas 8 salas, com cerca de 18-20 alunos em média.

Mas passados quase 2 meses de aula, posso dizer que estou feliz com a escolha que fizemos. Ela está feliz na escola, reconhece os amiguinhos no meio da rua, fala com todo mundo, conhece as rotinas por lá. Ainda estamos trabalhando na parte de lembrar de pegar as coisas: quase todo dia eu vou caçar um casaco, uma garrafa de água ou um pote. Ele tem adorado trazer livros da bilbioteca da escola, está super empolgada, escrevendo letrinhas em todos os cantos da casa, desenhando um monte. Aliás, essa pré-alfabetização tem me encantando, vou escrever com mais calma sobre isso depois.

Hoje recebi um email da professora contando pros pais como tem sido a rotina deles e o que eles estão fazendo em aula. Simplesmente adorei. Muitas atividades práticas, muito contato com natureza, atividades interessantes e diferentes. Acho que fizemos a escolha certa ao colocá-la no programa do Reggio Emilia. Tem como não amar?

“Nós tivemos um outubro movimentado e cheio de diversão! Estudantes na Divisão 6 estiveram ocupados aprendendo sobre o medidor de humor, os padrões em matemática, investigando lesmas, engajando-se em atividades de Halloween e divertindo e desfrutando o tempo de exploração!

Medidor de humor
Estamos aprendendo sobre o medidor de humor como uma ferramenta para nos ajudar a identificar os sentimentos em nós mesmos e nos outros. Os alunos estão aprendendo sobre os sentimentos que correspondem a cada zona de cor do medidor de humor e estão aprendendo a identificar qual a zona que estão dentro.

Investigação sobre lesmas
Depois que um aluno trouxe um caracol para compartilhar com a turma, os alunos mostraram interesse em caracóis e lesmas. Temos um viveiro de lesmas na sala, com cerca de 5 lesmas, e começamos nossa investigação pensando em algumas perguntas sobre o que os alunos queriam aprender. Os alunos investigaram as partes de uma lesma, o que elas gostam de comer, sua gosma, e os lugares que elas gostam. Eles notaram ainda os ovos que as lesmas que colocaram no viveiro. Foi muito emocionante! Nós vamos continuar nossa investigação. Pergunte ao seu filho o que aprendeu até agora sobre lesmas!

Padronização
Em matemática, os alunos tornaram-se experts em padrões! Eles participaram de várias estações de matemática onde fizeram padrões com diferentes materiais como botões de bingo, laços de frutas, selos do Dia das Bruxas, massinha e pedras/shells/botões. Os alunos estavam muito empenhados nas estações e me mostravam periodicamente os diferentes padrões que eles fizeram durante a exploração com Lego e blocos.

Explorando a escola e a área externa
Os alunos têm tempo de exploração todos os dias. Eles têm sido muito criativos com suas brincadeiras durante estes momentos. Eles gostam de construção, fazendo artes e ofícios e de brincar de teatro. Recentemente, alguns alunos fizeram instrumentos usando copos, pratos de papel, elásticos e rolos de papel toalha. Eles gostaram de fazer música com seus instrumentos!

Saímos duas vezes por semana para brincar na floresta. Tivemos muita sorte com o tempo ao longo do mês de outubro. Os alunos se divertiram fazendo pilhas ou coletando folhas, e inventando seus próprios jogos. Vamos continuar a ir lá fora, faça chuva ou faça sol. Veja se seu filho está vestido apropriadamente!

Halloween Fun
Casa Assombrada
Depois de colocar algumas caixas de papelão, isopor, e algumas bugigangas e adereços de Dia das Bruxas, os alunos trabalharam em conjunto para criar uma casa assombrada. Cada aluno da turma tinha uma parte da atividade. Alguns alunos fizeram fantasmas e árvores, bem como outros desenhos de Halloween para anexar à casa, enquanto outros cortaram janelas e ajudaram a colocar as caixas juntas com fita adesiva. Quando a casa ficou pronta, cada aluno recebeu um pedaço de teia de aranha para adicionar um toque final a sua criação.

Os cookies do Dia das Bruxas
No dia 29 de outubro, fizemos ​​biscoitos de Halloween! Os alunos esperaram pacientemente por sua vez para adicionar os ingredientes e misturá-los. Eles escolheram formatos diferentes de Halloween para os biscoitos. Pergunte ao seu filho que tipo de biscoito que ele/ela fez! Muitos alunos ficaram muito satisfeitos com a forma como o seu bolinho tomou e aproveitaram cada migalha!

Dia das Bruxas
Foi ótimo ver tantas fantasias maravilhosas e os alunos adoraram exibí-los durante o nosso desfile de fantasias! Os alunos passaram o dia decorando abóboras com uma variedade de materiais, alternando estações com as outras classes de Kindergarten e 1a. séria, onde fizeram esqueletos de cotonetes, brincaram com jogos de halloween e investigaram como é uma abóbora por dentro. Espero que todos tenham tido um feliz Dia das Bruxas!”

IMG_1013

IMG_0588

Pasta decorada por ela mesma.

IMG_0557

IMG_1062

IMG_0175

 

 

 

 

 

 

Vancouver resident’s version of ‘Sweet Child O’ Mine’ on ancient Chinese instrument goes viral

A menina é talentosa… esse vídeo já foi visto mais de 50 mil vezes.

Global News

Michelle Kwan has been playing the guzheng for the past 12 years.

An ancient Chinese instrument with 21 strings, the guzheng is not normally used for playing popular songs. But Kwan wants to bring the instrument into the mainstream.

Her latest video, of Guns N’ Roses’ Sweet Child O’ Mine, has gone viral, amassing more than 50,000 views in a week.

“I’m really glad,” said Kwan, 25. She is very busy so these side projects take her some time.

The current guitar player of Guns N’ Roses, Bumblefoot, even commented on her video.

Kwan is just happy it is getting some attention.

“I have to listen to the song and get the notes correct on my instrument,” said Kwan, as there is no sheet music for the guzheng.

Aside from playing the instrument, Kwan also works at BC Hydro, races Dragon Boats, and plays in a Chinese instrumental fusion band called

View original post 61 more words